Dobragens

Agora eu era um amigo imaginário

Eu costumava ser um purista das versões originais. E, bem vistas as coisas, ainda sou: é maravilhoso ouvir grandes actores americanos em rédea solta – porque o que se passa lá é que as falas são gravadas primeiro e só depois, moldada a elas, é que se faz a animação. Quando fui desafiado para participar na primeira… Continuar a ler

Os Monstros dos BAFTAs

Isto é levemente ridículo, mas quando faço uma voz na versão portuguesa de um filme e o vejo ser nomeado para grandes prémios internacionais, como os Óscares, fico com a sensação quentinha de que uma percentagem daquela estatueta, em caso de vitória, é minha. Um dedo do pé do Óscar, por exemplo. Uma unha do… Continuar a ler